quinta-feira, 15 de maio de 2014

Infância perdida

Me dói, uma dor sem doença aparente, sem motivo tangente, sem alvo adequado
Me dói uma dor latejante, agulhadas incomodas que, me tiram o sossego
Me deixam tonta, me provocam medo
Me dói o passado que parecia esquecido, agora remexido, sem fazer muito sentido
Me dói! Me dói!...
Me dói uma dor de agredir, de ferir, de vingar
Me dói uma dor que não era minha, mas ficou sendo
Me dói o abandono, a solidão, a decepção
Me dói a dor do outro, que na primeira hora da vida não pude acudir
Me dói as lágrimas contidas, a dor engolida
Me dói a lembrança da infância perdida
Me dói a mente adulta que me tomou de assalto e me jogou no abismo
Me dói!!!

Por quê???

Por que minha criança ainda sofre?
Por que minha criança ainda espera?
Por que minha criança ainda não entende?

Por quê???

Faltou o acalento, uma percepção mais apurada
Faltou o discernimento da criança em meio a batalha
Faltou o colo e o afago
Faltou...

Por quê???



Quem sou eu

Minha foto

Nasci e cresci em São Paulo, morei em SBC, SMP, Osasco, Barra Funda e Vila Madalena. Estudei no Heckel Tavares, Architiclino Santos e na FIAM. Trabalhei na AMESP, ITD Trasnportes, Masul S/A, Editora Azul, Prodomo, ECT, Ogilvy & Mather, Ipê Clube, SGS do Brasil, Envolverde e Galáxia Projetos de Comunicação.