sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Minto

Minto para mim, quando acredito que passou
Quando tento desesperadamente não pensar, o que penso sem parar
Minto no espelho quando encontro os meus olhos tentando me falar
Minto no silêncio e finjo que não ouço...
Minto sem medo, em imagens obsessivas
Procurando explicações racionais para seguir adiante, quando na verdade queria voltar
Voltar em algum momento onde perdi a trilha
Onde deixei meu coração
Em meio a desejos e sonhos
Com estranhos reflexos de um mundo novo e desconhecido
Algo em mim quer resgatar e insisti...
Mas a razão, mãe da dor me toma pela mão e me leva adiante
Me proíbe parar, chorar, voltar
Segue em frente, ela ordena
O passado desfaz-se em cinzas soltas ao vento
O futuro é névoa...
A você cabe apenas o presente, viva agora.
E de repente aqui, só e consciente
Do tudo que foi pouco, do muito que é nada.

Quem sou eu

Minha foto

Nasci e cresci em São Paulo, morei em SBC, SMP, Osasco, Barra Funda e Vila Madalena. Estudei no Heckel Tavares, Architiclino Santos e na FIAM. Trabalhei na AMESP, ITD Trasnportes, Masul S/A, Editora Azul, Prodomo, ECT, Ogilvy & Mather, Ipê Clube, SGS do Brasil, Envolverde e Galáxia Projetos de Comunicação.