segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Cresce

Meu pensamento é seu
Dia e noite a todo instante
Minha vontade é única, obstinada e paciente
Meu desejo é calor que sufoca e solicita
Minha razão é pratica, inventa e descobre
Obstáculos ultrapasso
Pontes construo
Portas eu abro
Pelas janelas me debruço
Busco em cada lembrança, em cada memória
Assim mantenho viva a emoção e o sentimento
Que só aumenta, aumenta, aumenta...

A vida passa voando

Mais lento, porque a vida passa voando
Quero sentir todos os perfumes e ver todas as cores
Quero todos os amores e todos os amigos
Deixar pegadas nas calçadas
Deixar sorrisos soltos ao vento
Doar abraços a corações doloridos
E afagos as crianças perdidas
Quero o amanhecer ensolarado
E noites enluaradas
Quero um tapete de estrelas
E uma capa de espuma do mar
Quero um olhar de ternura
Gestos de pura doçura
Quero palavras cristalinas
Pedras pequeninas
Quero me dar por inteiro
E deixar de herança
Meu dom, meu tesouro mais verdadeiro
Quero partir num vôo pleno
Deixar no tempo apenas a poesia
De tudo o que eu via
De tudo o que eu sentia
Apenas o suspiro...
A vontade poderosa
O desejo constante
Todos os meus sonhos
Meus cadernos e a tinta...
Distinta parte do meu ser
Codificado em verbos e sinais
Mais lento, porque a vida passa voando...

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Colou em mim

Tento não pensar, não lembrar
Mas você é uma cisma em mim
Quando me dou conta, sua imagem já está refletida no espelho da minha mente
Faço que não ligo, que não vejo
Mas... ela permanece, me sorri, me provoca, zomba da minha indiferença
Tanto faz se me dou conta ou não
Você mora ali, em algum lugar escondido, de mim mesma
Por horas e dias as vezes me esqueço...
Mas de repente, você se apresenta vivo e faceiro
Tão verdadeiro, que me assombra!
Tento entender o porque, reservei para você um lugar tão privilegiado na memória
Mas que importa?!
Você está aqui,
Vive em mim
Já não conta mais a distância e o tempo
Apenas esta imagem que preenche
Talvez uma necessidade, uma vontade, um desejo
Talvez até quem sabe um amor, uma paixão, um segredo...

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Verbos

Adoçar, esperar, agir
Olhar, deixar passar, pedir
Sentir, chorar, rir ser feliz
Pegar, abraçar, beijar, amar
Voltar, desculpar, começar...
Dormir, esquecer, perder o medo
Sonhar, criar, realizar todos os sonhos
Estar, ficar, poder saber...
Escolher...
A vida
As alegrias
Os gestos
As dádivas
Os doces
As pessoas
As situações
Os desejos
Permitir sempre.

domingo, 12 de setembro de 2010

O seu existir

O seu existir me faz feliz
Saber-te bem, me traz alegrias
O sentimento que tu me despertas...
Ultrapassa as fronteiras do tempo e do espaço
E o medo brinca, como criança esquecido de si mesmo
Há somente risos e doces lembranças
Carinhos soltos em palavras e ações
O seu existir provoca no meu ser...
Minhas melhores virtudes
E serena meus muitos defeitos
Você me inspira...
Torna minha aura brilhante
Minhas ações construtivas
Meu desejo radiante
Seu existir me mantém alerta, desperta, pronta
Dignifica minha existência, permanência, constância
Você enquanto parte de mim, oposto de mim
Me completa, satisfaz, realiza.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Confidências

Foi assim sem pedir
Me chegou aos ouvidos sem aviso
Um sinal de perigo
Fiz que não ouvi
Mas as palavras estão aqui
Divertem-se com minha minha aflição
Zombam da minha decisão
Vou ficando assim...
Meio orfã de mim
O desejo me aponta uma direção
A razão um desvio
Estou sentado na ponte, esperando...
Talvez me decida logo
Ou não.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Internet

Ai que medo do teclado!
Puxa meu dedo de lado
Salta letrinhas na telinha
E conta estórias como quem conta verdades
Pula de lá para cá juntando sílabas
Num bailado cadenciado
Tônicas, ditongos, oxítonas, paroxítonas...
Nem se importa com essa tal regra gramatical
Que sintaxe que nada, samba pelada
Entre vírgulas e pontos
Se agarra a exclamação, zomba da interrogação
Só que quer saber de dizer
O que vai nas entrelinhas do saber
Que emociona quando escorre livre nas linhas imaginárias
Das páginas brancas, das telas magnetizadas
Minha nossa quanta loucura...
Desenhando nas mentes desprevenidas
Palavras distorcidas da nova realidade
Virtual, cibernética, atual.

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Ouvir

Ouvir,
Não só o som da sua voz, mas o significado de cada palavra
Ouvir,
Cada emoção, cada sentimento,
Ouvir,
Todo seu coração e seu corpo e sua vontade
Ouvir,
Cada lágrima derramada, cada suspiro contido, cada gesto guardado
Ouvir,
O sopro da sua respiração e até mesmo o que não foi dito
Ouvir,
Seus pensamentos e desejos
Aquela parte de você, que nem você sabe que existe
Ouvir,
Segredos da sua alma, cores do seu armário...
Ouvir,
Seus passos pelo caminho, seu riso atrás da porta
Seus gritos, seus pedidos, sua vida.
Ouvir com meus ouvidos, com meu coração e com minha alma abertos, prontos para você.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Bailarina

A poesia é uma bailarina caprichosa, que rodopia no colo do vento...
Graciosa e leve, desenha palavras com seu tutu
Saltitante e desprendida, vai em sua dança formosa
Despertar silenciosa, emoções, risos, alegrias, dores e saudades
A poesia é uma criança feliz, que mesmo quando triste...
Ri achando graça!
Ri em versos, em prosa, em sonetos
Ri de si mesma e ainda faz troça do seu rosto sombrio
A poesia é mulher apaixonada, larga tudo pelo amado
Faz até o que Deus dúvida
Vive cada segundo como se fosse o último e morre se necessário
A poesia é homem cismado,
De ciúme, de medo, de cansaço
Dobra-se melancólica, adormece triste
Acorda entusiasmada...
E descobre na dança, nas letras, na tinta
A vida em si mesma encanada.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

A dor é de quem?

Meus olhos acusam lágrimas não derramadas
Meu coração uma dor camuflada
Minha alma um pesar...
Minha mente está perdida em devaneios
Meu espírito tenta acalmar a tempestade, que de repente me invade
Um misto de amor e raiva
De desprezo e dúvida
De ímpeto e espera
A tristeza é transparente
O ser humano se perde
No âmago da reflexão
Solto no vácuo de temores ancestrais
Crise dos 40, do tempo que passa sem aviso
De oportunidades desprezadas
De gestos pouco valorizados
De viver amores condicionados
Raiva de não poder ser apenas
Sem máscara, sem títulos, sem posses
Apenas ser.
Difícil arte de viver em sociedade
Sem magoar, faltar ou comprometer
A felicidade alheia, a esperança e o sonho de quem não nos vê.
Isto é um misto de dor e medo
Um que de desolação
Uma estrada esburacada que vai nos levar para longe do nosso destino
Um vazio cheio de motivos
Um motivo sem razão
Tantas palavras mesquinhas em meio a emoções explosivas
Quinquilharias num porão abandonado...
Num coração roubado
Num infinito mundo, com fim.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Vôo

Nos braços das nuvens, assim meio solta...
Feito pássaro abraçado pelo sol
Meio tonta entre o azul e o branco
Mesmo sabendo que tudo é ilusão
Ainda que com asas metálicas
E flutuando como um balão
Pensando voar rápido, bem longe do chão
Podendo entender as águias
Os urubus e tudo que tem asa
Voar nas asas mecânicas, bem longe do chão
Foi assim que entre eufórica e camuflada
Experimentei esta nova sensação
Fingindo naturalidade quando na verdade meu coração era pura diversão
Voei num céu azul, com nuvens de algodão
Sob as cidades pequeninas lá longe no chão.

Quem sou eu

Minha foto

Nasci e cresci em São Paulo, morei em SBC, SMP, Osasco, Barra Funda e Vila Madalena. Estudei no Heckel Tavares, Architiclino Santos e na FIAM. Trabalhei na AMESP, ITD Trasnportes, Masul S/A, Editora Azul, Prodomo, ECT, Ogilvy & Mather, Ipê Clube, SGS do Brasil, Envolverde e Galáxia Projetos de Comunicação.