segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

O caminho do amor

Como pode alguém que diz amar, privar seu objeto de amor das pequenas alegrias?
Como pode esse amor ser desprendido e altruísta?
Como pode esse amor conservar o afeto do ser amado?
Se ele se compraz no prazer egoísta.
Como pode o discurso do amado ser diferente de sua prática?
Como pode o amor se manter vivo diante da indiferença do outro?
Que amor sobrevive a uma via de mão única?
O amor em si é desprendimento e entrega,
Concessão e resignação
É aceitação de parte a parte
E a capacidade infinita de rever conceitos e crenças
É antes e sempre a capacidade de permitir ao outro ser feliz
Do seu jeito e nos sentirmos felizes na sua alegria.

domingo, 20 de dezembro de 2009

Razões

Talvez não devesse doer, mas minha alma reclama
Talvez nem devesse crescer, mas já é tão grande me sufoca
Talvez eu devesse esquecer, mudar, partir
Mas insisto em ficar...
Talvez nem pudesse permitir
Mas foi ficando, ocupando e agora está assim
Fincado, meio emperrado, difícil de tirar
Tirar do peito, da vida, do coração
É uma dor silenciosa, amarga e triste
Só sei que precisa acabar
Está sendo alimentada de mágoas, de motivos sem razão
Neste momento só quero que passe, que deixe de ser sofridão.

Quem sou eu

Minha foto

Nasci e cresci em São Paulo, morei em SBC, SMP, Osasco, Barra Funda e Vila Madalena. Estudei no Heckel Tavares, Architiclino Santos e na FIAM. Trabalhei na AMESP, ITD Trasnportes, Masul S/A, Editora Azul, Prodomo, ECT, Ogilvy & Mather, Ipê Clube, SGS do Brasil, Envolverde e Galáxia Projetos de Comunicação.