domingo, 27 de maio de 2007

Devora-me

Ainda que eu me esforce,

Não esqueço...

Apenas desejo e penso
Como penso???

Nas muitas coisas que eu não disse

Mas tentei dizer

Nas muitas coisas que não fiz
Mas desejei fazer

A vida hoje é um farfalhar de pequenos fragmentos

Do ideal imaginário

Passa lenta diante dos sonhos
Como a provocar uma reação

O que dizer do instante congelado?

Na mente da solidão

Sim solidão!

Aquela de estar só em meio a multidão

Descobri-se diferente na manhã que seguiu a noite

Quando deitei resignada

E acordei como um vulcão

Ahhh vida!!!

Vem como um leão

Que estou pronta

Devora-me para que eu transcenda

No mergulho profundo

Da consciência absoluta

Do amor que sempre fui.





Quem sou eu

Minha foto

Nasci e cresci em São Paulo, morei em SBC, SMP, Osasco, Barra Funda e Vila Madalena. Estudei no Heckel Tavares, Architiclino Santos e na FIAM. Trabalhei na AMESP, ITD Trasnportes, Masul S/A, Editora Azul, Prodomo, ECT, Ogilvy & Mather, Ipê Clube, SGS do Brasil, Envolverde e Galáxia Projetos de Comunicação.